CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

BlogCampoGastronomiaSustentabilidadeTurismo e Lazer

Rota Turística do Café do Cerrado Mineiro

Cafeicultor com um punhado do café especial do cerrado nas mãos

O Sebrae Minas, em parceria com diversas entidades e instituições do município de Patrocínio, o maior município produtor de café do mundo, no Alto Paranaíba, desenvolveu um roteiro turístico para que os apreciadores de café possam vivenciar uma experiência memorável na Região do Cerrado Mineiro, a primeira Denominação de Origem (DO) de cafés do Brasil. Nasce a Rota do Café do Cerrado Mineiro. O lançamento oficial foi durante o Festuris Gramado, o maior evento do país para promoção de destinos turísticos, ocorrido enter 9 e 12 de novembro, no Rio Grande do Sul.

Fazenda de café no cerrado mineiro
Fazenda de café no cerrado mineiro

O projeto pretende estruturar o destino turístico para que o visitante possa ter a experiência em conhecer a produção do café de excelência, no bioma do Cerrado, e todo o processo de inovação e tecnologia utilizado pelos produtores. Com amplo know how no turismo de negócios e na produção do café, a Região do Cerrado Mineiro avança para oferecer uma experiência a mais aos turistas. As reuniões de planejamento tiveram início em abril deste ano com a participação de uma consultoria especializada no desenvolvimento de produtos turísticos. Para estabelecer o projeto na região, foram realizadas visitas técnicas em vários locais do município, para mapear e preparar as propriedades rurais a receber os visitantes.

Uma visita-teste foi realizada em outubro passado na Fazenda Rainha da Paz (Grupo Montanari), com direito a degustação da bebida, na Fazenda Santa Cruz da Vargem Grande (AgroBeloni) para uma imersão na natureza do bioma cerrado, com degustação de cafés e plantio de árvores, passando pela Cooperativa Expocacer com um tasting coffee na Cafeteria Dulcerrado, o cupping (apreciação sensorial de cafés) da Fazenda Freitas (Nunes Coffee) com degustação do famoso Geisha junto à lavoura, passa pela Fazenda Bela Vista (Alado Coffee) para conhecer o experimento de plantio em agrofloresta com um café da tarde tipicamente mineiro e por fim, os visitantes tiveram a oportunidade degustar pratos especiais com menus desenvolvidos para explorar o universo dos sabores dos cafés e de produtos do cerrado. Um mundo de sensações no universo do café.

Cafeteria Dulcerrado
Cafeteria Dulcerrado
Grupo visitando um cafezal
Grupo visitando um cafezal

A experiência da nova rota turística está integrada à capacitação dos restaurantes e bares de Patrocínio, bem como da rede hoteleira. A proposta é unir toda a cadeia produtiva associada ao turismo para que esteja preparada para receber mais turistas, fortalecendo a governança e tornando o destino mais conhecido pela experiência, história e origem dos cafés produzidos na região.

Para a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, o turismo é fundamental para uma região que possui uma Denominação de Origem (DO), pois gera conexão direta com o consumidor. O projeto era parte do plano estratégico da federação e estava só esperando o momento oportuno para implementação. Com dez anos da certificação da DO, a marca está mais madura e pronta para ser apresentada ao mercado, com empreendimentos mais preparados e com boa estrutura para quem visita a região.

Sacas de café do cerrado mineiro
Sacas de café do cerrado mineiro

A Associação Comercial e Industrial de Patrocínio (Acip) destaca que o novo roteiro vai beneficiar a região, gerando mais empregos e renda. Patrocínio é o município com uma das maiores produções de café do Brasil, e conta com a mais moderna tecnologia e as melhores práticas sustentáveis existentes. Para a associação, rota será uma oportunidade para que os visitantes conheçam in loco todo o processo de produção do café sustentável.

O Cerrado Mineiro

Produzido em 55 municípios das regiões do Alto Paranaíba, Triângulo e Noroeste Mineiro, o café do cerrado corresponde por 12,7% da safra anual do país. Em Minas Gerais, o café representa 25,4% da produção estadual, com uma produção média de seis milhões de sacas por ano. Ele se caracteriza por ser cultivado em um território singular, com perfeita definição das estações climáticas – verão quente e úmido e inverno ameno e seco. Os cafeeiros são cultivados em áreas com altitude que variam entre 800 e 1300 metros. Além disso, a topografia plana, as chuvas bem-distribuídas e o solo fértil corroboram para o plantio de café e proporcionam uma colheita de alta qualidade e identidade única. Nesse terroir, produzem-se cafés com sabores que remetem ao chocolate e ao caramelo.

Região do cerrado mineiro

A Região do Cerrado Mineiro (RCM) completou 50 anos em 2022 e conta hoje com a participação direta de mais de 4.500 produtores. As características inconfundíveis conferiram à Região do Cerrado Mineiro (RCM) a primeira do país a ser reconhecida como Indicação de Procedência (IP), em 2005, e ganhar o selo Denominação de Origem (DO), em 2013, homologado junto ao Instituto Nacional de Produtividade Industrial (INPI). Isso significa que o café do cerrado mineiro não pode ser reproduzido em nenhuma outra região.

A sustentabilidade é o foco. Atualmente, já são mais de 15 produtores certificados com agricultura regenerativa e está se formando um grupo de produtores de café orgânico.

Hoje, o café do cerrado não é um produto apenas para ser comercializado, exportado, mas um elemento cultural e gastronômico importante para nossa região. A rota do café é uma imersão exclusiva no terroir dos cafés de origem da região do cerrado mineiro. Fazendas, cultura, gastronomia e sustentabilidade são alguns dos pilares do turismo na rota, com a intensidade do mundo dos cafés especiais e de alta qualidade para vivenciar em pequenas e grandes fazendas, pelas torrefações e cafeterias, ou nos almoços e jantares harmonizados.

Cafezal do cerrado
Cafezal do cerrado
Café colhido
Fazenda Freitas - Nunes Coffee
Fazenda Freitas – Nunes Coffee

Destaques da Rota do Café

– Experiência na Fazenda

Os visitantes têm a oportunidade de explorar fazendas de café, conhecer o processo de colheita e beneficiamento e entender o trabalho que torna o café de Patrocínio tão especial. Todas as propriedades participantes do roteiro pertencem a cooperados da Expocacer.

– Torrefações e Degustações

A Rota do Café inclui visitas a Expocacer e torrefações locais, onde os visitantes poderão experimentar uma variedade de cafés especiais produzidos na região.

– Eventos e Atividades

O roteiro é enriquecido com eventos sazonais, workshops e atividades interativas que aprofundam a compreensão e apreciação do café.

Casa da Cultura - Museu Municipal de Patrocínio
Casa da Cultura – Museu Municipal de Patrocínio
Logo da Região do Cerrado Mineiro

O passeio promete encantar os amantes do café e todos aqueles que desejam conhecer mais sobre a cultura cafeeira de Patrocínio, um marco importante não apenas para os cafeicultores, mas para toda a comunidade local.

O café do cerrado pode ser mais um produto de Minas, como o Queijo Minas Artesanal (QMA), a trilhar o caminho para se tornar patrimônio imaterial do estado e do mundo. A Rota do Café do Cerrado é fundamental para tornar isso possível.

Além do Sebrae Minas e Federação dos Cafeicultores do Cerrado, também participam da ação representantes da Acip/CDL, Expocacer, Associação dos Cafeicultores da Região de Patrocínio (Acarpa), Associação dos Pequenos Produtores do Cerrado Mineiro (Appcer), Prefeitura de Patrocínio, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo de Patrocínio e Circuito Turístico Caminhos do Cerrado.

Para mais informações sobre a rota CLIQUE AQUI.

Leia também: