CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

A citricultura de montanha de Minas Gerais - Foto: Antônio Carlos Simonetti/Simonetti Citrus

Um novo movimento está acontecendo na citricultura brasileira. Em Minas Gerais, segundo maior estado produtor de frutas cítricas do Brasil, o crescimento de produção tem chamado atenção entre as montanhas. O estado tem apresentado um crescimento exponencial no setor nos últimos anos. A citricultura de montanha é a nova aposta da Epamig – Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, que tem acompanhado o desenvolvimento de muitas lavouras em regiões montanhosas do estado. Os pesquisadores vêm desenvolvendo pesquisas voltadas para a análise da qualidade dos frutos e de suas aptidões para a indústria de bebidas, tanto alcoólicas quanto não alcoólicas.

Dentre os polos citrícolas de MG, destaca-se a região montanhosa entre o Sul de Minas e o Campo das Vertentes, onde, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2012 e 2022, a área plantada de limão, laranja e tangerina cresceu de 26 hectares para aproximadamente 977 hectares.

O termo “citricultura de montanha” não está relacionado a uma nova prática ou novo manejo, mas a um conjunto de fatores que caracteriza a produção de citros em relevos montanhosos. Nessa região, as variações de relevo e altitude e a grande amplitude térmica (diferença de temperatura entre o dia e a noite) podem influenciar no sabor e na qualidade das frutas. A tangerina Ponkan produzida nas regiões montanhosas é muito apreciada por sua doçura, por exemplo.

Tangerinas Ponkan - Foto: Antônio Carlos Simonetti/Simonetti Citrus
Tangerinas Ponkan – Foto: Antônio Carlos Simonetti/Simonetti Citrus

A região era tradicionalmente conhecida pela produção leiteira, mas o cenário mudou em meados dos anos 2010, quando grupos empresariais começaram a migrar de São Paulo para Minas Gerais, à procura de terras com temperaturas mais amenas e livres do greening (a mais grave e destrutiva doença entre os citros), que já havia comprometido grande parte da citricultura paulista. O relevo montanhoso do sul mineiro não foi um impeditivo para o avanço da citricultura, que se adaptou muito bem, especialmente a tangerina. Isso atraiu investimentos e gerou também um aumento de renda na região, pois a citricultura demanda mão de obra durante quase todo o ano e ocupa áreas produtivas que estavam antes ociosas.

A técnica da Epamig Ester Ferreira coordena o projeto de pesquisa “Percepção sensorial de sabor e preferências dos consumidores por diferentes cultivares de laranjas e tangerinas”, que tem como objetivo avaliar a qualidade dos frutos produzidos na região, tanto para consumo in natura quanto aqueles destinados para a indústria de bebidas.

O estudo pretende avaliar características como a coloração da casca e o sabor dos frutos para confirmar se realmente existe influência do relevo e das condições climáticas da região sobre a qualidade da produção. Existe também uma linha de pesquisa dedicada ao uso de citros para a elaboração de drinks e bebidas não alcoólicas, inclusive misturadas com café e estão programados testes sensoriais com consumidores para avaliar a aceitação.

Produção na região montanhosa mineira - Foto: Antônio Carlos Simonetti/Simonetti Citrus
Produção na região montanhosa mineira – Foto: Antônio Carlos Simonetti/Simonetti Citrus

Um dos parceiros desse projeto, e que tem contribuído com o envio de amostras de frutos para serem analisados, é o paulista Antônio Carlos Simonetti, produtor de citros no município de Minduri (MG). Sua família é originária de Limeira (SP), onde seu bisavô iniciou o cultivo de frutas cítricas na década de 1940. Com o avanço do greening no estado, a família decidiu migrar para Minas Gerais, em busca de terras férteis e livres da doença.

Conta o produtor que sua produção de tangerinas Ponkan, que era muito famosa pela qualidade, simplesmente acabou em Limeira por causa do greening. Então, resolveram se transferir para Minduri atrás de um clima mais ameno, com temperaturas mais baixas. Simonetti cultiva abacates, cinco variedades de tangerina e nove de laranja, em cerca de 2.000 hectares. Para ele, o maior desafio do manejo na citricultura de montanha é a manutenção de tratores, roçadeiras e demais máquinas, que ficam muito desgastadas por conta do relevo acidentado.

Pomar na região de montanha de Minas Gerais
Pomar na região de montanha de Minas Gerais

Os 1.000 metros de altitude do município favorecem a produtividade, qualidade, rendimento dos sucos e coloração dos frutos, além de quebrar o ciclo de algumas pragas e doenças, como cancro, leprose e pinta-preta. As plantas adultas produzem cerca de 70 a 80 toneladas de frutos por hectare ao ano. Quando saíram de São Paulo, há quase 10 anos, a produção era de cerca de 40 a 50 toneladas por hectare ao ano. Além disso, as frutas produzidas em Minas também são mais livres de defensivos agrícolas.

É importante lembrar dos outros polos citrícolas que o estado de Minas possui, como o polo produtor de limão no Norte de Minas e o de produção de laranjas para indústria de sucos no Triângulo Mineiro. Isso prova que a diversidade ambiental e as variações de topografia e relevo de Minas Gerais são muito propícias para a citricultura e têm gerado bons frutos, literalmente.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *