CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

AgriculturaAgricultura FamiliarCiência e TecnologiaCultura e SocialGastronomiaGestão, Mercado e EconomiaTurismo e Lazer

Quais as diferenças entre as cervejas industriais e as artesanais?

Vários tipos de cervejas artesanais
Cada vez mais pessoas se interessam por cervejas artesanais. Este público está em busca de diferenciação, exclusividade e novas experiências sensoriais e sociais
 
São vários os aspectos que sinalizam estas particularidades dos diferentes tipos de cerveja artesanal. Podemos praticamente afirmar que uma cerveja artesanal nunca é igual às outras!
 
É verdade que todas as cervejas, tanto industriais quanto artesanais, compartilham de ingredientes básicos: água, lúpulo, malte e fermento.

Mercado mais amplo

A cerveja comercial/industrial tem um público muito mais amplo. São marcas que visam o grande público. Logo, para vender muito, são obrigadas a fabricar em grande escala.

Para atender esta demanda, é necessário que se acelerem algumas etapas (como fermentação e maturação), por meio de processos químicos. Além de acelerar a produção, estes processos ainda contribuem para baratear os custos de fabricação e consequentemente o preço final.

Exclusividade e status

Visto por muitos como uma verdadeira arte, a produção da cerveja artesanal é dirigida a um público que busca novas experiências, com interesse nos variados tipos de cerveja e particularidades, sabores e aromas diferenciados.

A diferença já começa na fabricação dessas cervejas. A seleção dos ingredientes é muito mais rigorosa e pensada em processos de fermentação, de maturação, sem a presença de quaisquer químicos para acelerar qualquer fase dos processos.
O processo de filtragem ocorre de forma intensa nos processos das cervejas industriais, e não acontece de forma tão acentuada no das artesanais.
A cerveja artesanal é “filtrada” com menor intensidade. Como explica o empresário George Von Hellmman, da cervejaria Zodiac, “quando se está “brassando” (produzindo a cerveja), o mosto (o sumo dos ingredientes) passa pela Tina de Clarificação, onde há um telado, uma trama, como se fosse uma peneira. O mosto ao circular Tina, faz com que as cascas da cevada se depositem sobre esta peneira e formam uma “cama de bagaço”. Esta cama é que se torna o elemento filtrante do mosto. Isto é comum em todas as cervejarias, seja ela micro ou macro. Nas cerevejarias artesanais, comumente, este é a única filtragem existente. Algumas se utilizam de mais um elemento filtrante, mas nada sofisticado o intenso”.
Por isso que é comum uma certa turbidez nas cervejas artesanais. É muito perceptível quando a cerveja é muito filtrada já na turbidez, quanto maior a transparência da bebida, mais filtrada ela foi. As grandes cervejarias utilizam sistemas de filtragem supersofisticados, por conta disso é que temos cervejas quase transparentes.

Microcervejarias

São lugares pequenos em que o fator humano é essencial para a execução e o controle na elaboração do produto.

Aroma e sabor

A cerveja artesanal tem cores mais peculiares e são mais “encorpadas”. Os aromas são intensos e os sabores são bem definidos. É por isso que cada vez mais consumidores valorizam as degustações de cerveja artesanal e a qualidade do produto.

E não é apenas isso! Uma cerveja artesanal multiplica os nutrientes que podem oferecer uma cerveja industrial. Portanto, são muito mais saudáveis!
Há público para todos. Cervejas com amoras, com café!!! Cervejas com gengibre… O que não falta é opção. A única coisa que deve ser considerada tanto para as industriais quanto para as artesanais é: BEBA COM MODERAÇÃO!

A cerveja vista por um cervejeiro

Praticamente todas as cervejarias artesanais, não considerando aquelas que foram encampadas pelas grandes marcas, possuem uma caraterística fundamental que faz uma grande diferença no produto final: a presença do proprietário em seu processo produtivo, e pode parecer piegas, mas quando você faz algo que gosta, há um ingrediente importantíssimo que dá um toque todo especial na cerveja artesanal, amor!

George Von Hellmann – Proprietário da Cervejaria Zodiac
 
Embora a Lei da Pureza (Reinheitsgebolt), instituída em 1516, tivesse uma conotação político-econômica, em sua proclama estabelece que toda cerveja produzida na Baviera deveria conter unicamente, cevada, lúpulo e água. As leveduras não fizeram parte da composição, pois, na época, não eram conhecidas. Grande parte das Microcervejarias no Brasil compartilham do mesmo ideal de Guilherme IV, Duque da Baviera.
 
Devido a este compromisso do proprietário com a qualidade do produto final, as cervejas artesanais são produzidas em menor escala, com insumos nobres, de alta qualidade. É um processo mais lento, pois os períodos de fermentação e maturação acontecem naturalmente. Não há a adição de qualquer aditivo químico no processo.
O resultado são cervejas especiais únicas e sabores marcantes. Algumas possuem um amargor mais acentuado, outras um sutil dulçor, algumas são mais claras, outras mais escuras, algumas têm notas de café, de chocolate, outras notas cítricas ou frutadas. Toda essa explosão de sabores e aromas são delineados pelo mestre cervejeiro. É ele que faz a magia acontecer.
 
Em um processo industrial, há uma proposta diferenciada, que são as vendas e o preço na gôndola do supermercado. Desta forma, o que diferencia é o tempo de produção e as matérias primas de custo mais baixo. Pela legislação brasileira há a obrigação da utilização de malte de cevada em pelo menos 60% dos insumos e o restante, são os chamados cereais não maltados e carboidratos, como milho ou arroz. Além disso, podem conter em sua formulação, antioxidantes, corantes e estabilizantes.

George Von Hellmann – empreendedor cervejeiro, proprietário da Zodiac Cervejaria Artesanal e, como todos os que empreendem neste país, desbravador!
 
Leia também: