Cavalo Crioulo - Raça forte forjada nos campos do Sul

Agricultura FamiliarCapacitaçãoCiência e TecnologiaCriaçãoGestão, Mercado e EconomiaNotíciasPastagens e Forrageiras

Sem uso de químicos, manejo reduz até 82% do carrapato-do-boi

Rebanho no pasto

O sistema de rotação de pastagem promove um vazio sanitário fazendo com que as larvas dos carrapatos morram por falta de animais para parasitarem

Um estudo realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) realizou controle de carrapatos em bovinos sem o uso de produtos químicos, utilizando apenas estratégias de manejo, com os animais em pastejo em diferentes regiões.

Através de um sistema de manejo chamado de Lone Tick, resultados iniciais apresentaram 82% na redução da população de parasitas nos rebanhos. A técnica permite o controle da infestação do carrapato nas pastagens deixando as larvas “solitárias” (em inglês, lone) por meio do distanciamento entre parasita e hospedeiro.

Rebanho no pasto - Foto: Sergio Bender

O parasita causa o aparecimento da doença conhecida como tristeza parasitária bovina (TPB) pelos agentes: Babesia bovis, Babesia bigemina e Anaplasma marginale, o que pode levar os animais à morte. Caso não seja adotado um controle pelo produtor, este sofrerá grandes prejuízos. “Não se tem registros exatos de mortes de animais por TPB no País. É importante lembrar que no Sul essa doença possui uma gravidade maior por ser região de instabilidade enzoótica, que significa que os animais estão vulneráveis após o inverno, levando a um risco de morte maior”, esclarece o pesquisador da Embrapa Gado de Corte Renato Andreotti, ressaltando a preocupação com a qualidade dos alimentos fornecidos pela bovinocultura.

Destaques sobre o controle do carrapato bovino

Os testes a campo foram realizados durante um ano, analisando o controle da infestação de carrapato Rhipicephalus microplus em bovinos da raça Senepol. No sistema de manejo rotacionado sem uso de acaricidas, foi identificado uma média de dez carrapatos por animal.

Fêmeas do carrapato bovino com ovos - Foto: Cristina Brito
Pastagem em vazio sanitário - Foto: Sergio Bender

No sistema Lone Tick, muda-se o boi de pasto, separando o animal do carrapato, e alternando consecutivamente o local de pastagem do rebanho. O pesquisador conta que o tempo de uma rodada de quatro pastagens até ao retorno à área inicial é de 112 dias. Esse manejo promove um vazio forrageiro/sanitário de 84 dias, no local da pastagem inicial, período em que as larvas do carrapato ficam solitárias e morrem por falta de animais no local para se hospedar e se alimentar. “Ou seja, matamos o carrapato, sem utilizar produtos químicos”, resume.

Os resultados se mostraram promissores no controle de parasitas de forma ecologicamente correta sem o uso de pesticidas, atendendo assim, uma demanda de mercado internacional: a diminuição do uso de produtos químicos e seus efeitos colaterais.

Leia também:

Período das águas exige maiores cuidados com infestação de carrapatos

Pecuária – Primeira vacina contra carrapato bovino está chegando!!!

Carrapato do bovino – Controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.