CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

Serra do Espinhaço e sempre viva em destaque

Além de valorizar práticas que englobam técnicas ancestrais de manejo do meio ambiente, a medida deve beneficiar dezenas de comunidades

O sistema agrícola adotado por povos tradicionais que geram renda através da coleta das flores sempre-vivas na Serra do Espinhaço, em Minas Gerais, foi reconhecido como patrimônio cultural imaterial do estado.

O mecanismo de proteção permitirá a salvaguarda do sistema agrícola, que é compreendido pelo conjunto de saberes e das celebrações, rituais e expressões culturais das comunidades da porção meridional da Serra do Espinhaço, em Minas Gerais.

Mapa esquemático de localização da Serra do Espinhaço-MG
Serra do Espinhaço
Serra do Espinhaço

A decisão, além de reconhecer a importância cultural de práticas transmitidas por gerações que englobam técnicas ancestrais de manejo do meio ambiente, vai medida deve beneficiar aproximadamente 20 de comunidades localizadas nos municípios de Diamantina, Couto Magalhães, Olhos D´Água, Presidente Kubitscheck, Buenópolis, Serro e Bocaiúva.

Os apanhadores de flores sempre-vivas, como são conhecidos, já haviam obtido o selo de Sistema Agrícola Tradicional de Importância Mundial (Sipam), concedido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Em 22 de maio passado, uma cerimônia em Roma, na Itália, marcou a conquista. É o único sistema brasileiro a receber este selo. Ele foi criado em 2002 para fortalecer e preservar práticas agrícolas mundiais que combinam a biodiversidade agrícola, patrimônios culturais e ecossistemas resistentes. Na América Latina, há apenas outras seis experiências com este reconhecimento: uma no Chile, uma no Peru, duas no Equador e duas no México.

Campo de sempre vivas
Campo de sempre vivas
Apanhador de sempre vivas

As flores sempre-vivas têm esse nome pela sua capacidade de resistência ao longo do tempo, mantendo sua firmeza e sua cor. São muito usadas para elaboração de buquês de flores e decoração de eventos.

No Brasil, elas são típicas do bioma cerrado e a Serra do Espinhaço reúne aproximadamente 80% das suas espécies. Seus campos estão situados a cerca de 1,4 mil metros de altitude. Os apanhadores podem permanecer por lá durante semanas, se abrigando em ranchos ou grutas, conhecidas como lapas.

Este período voltado para a coleta das flores é também um momento de encontro e socialização das famílias camponesas que integram essas comunidades, algumas delas quilombolas.

Além de abastecer o mercado interno, a produção nacional desperta também o interesse de outros países. Segundo dados do governo brasileiro, os principais importadores são Estados Unidos, Países Baixos, Espanha e Itália.

Serra do Espinhaço
Sempre vivas para venda no comércio
Sempre vivas para venda no comércio

As conquistas obtidas por essas populações – tanto no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU) como em Minas Gerais – levaram em conta sua sustentabilidade. Isso porque a coleta exagerada de flores sempre-vivas para fins comerciais pode colocá-las em risco. Mas essas comunidades trabalham de forma coletiva, observando os ciclos naturais e calculando o volume de coleta de forma a garantir a renovação das espécies.

Cultivo

Além da coleta das flores, as comunidades realizam outras atividades produtivas que garantem a complementação de renda, segurança econômica e alimentar, como roças, criação de animais e coleta de produtos do agroextrativismo, a exemplo de frutos e plantas medicinais.

A transumância – característica do modo de vida dessas populações – envolve o movimento de grupos familiares da parte baixo da Serra do Espinhaço, onde se concentram as residências e suas produções agrícolas, para a parte alta, onde passam a viver em lapas e em ranchos durante a fase de manejo da flora nativa.

Sempre viva
Sempre viva

Esse deslocamento periódico, feito em diferentes elevações que vão de 600 a 1.400 metros de altitude, é realizado para o desenvolvimento das distintas atividades produtivas dentro do ciclo anual por toda a extensão dos territórios, o que configura um complexo sistema de conhecimentos dos diferentes ambientes naturais da cordilheira.

A concessão do título de patrimônio cultural imaterial de Minas Gerais foi aprovada durante reunião ordinária do Conselho Estadual do Patrimônio Cultural (Conep).

Em nota divulgada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), destaca-se que o reconhecimento contribui para a preservação dos saberes. São sábios, pois as várias comunidades trabalham diretamente com seus territórios, cuidando dos animais, respeitando às estações do ano, mudando a transumância, não utilizando produtos químicos. O conhecimento deles é único e merecem essa proteção.

Acesse o livro “Vida e Luta das Comunidades Apanhadoras de Flores Sempre-vivas em Minas Gerais”, importante obra sobre o tema, CLICANDO AQUI.

Assista ao documentário “Serra Nossa, Sempre Viva: protocolos de consulta das apanhadoras de flores”, da Terra de Direitos

Leia também: