CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

BlogCampoCiência e TecnologiaRaças

Cães-guia – Autonomia e segurança para deficientes visuais

Cão guia da raça labrador

Exploraremos o treinamento, as responsabilidades e as raças mais adequadas para essa função essencial. Ao mesmo tempo, discutiremos a importância desses cães dentro do contexto de inclusão social e como eles ajudam a superar as barreiras que as pessoas com deficiência enfrentam diariamente.

O que é um cão-guia?

Um cão-guia é treinado especificamente para ajudar pessoas com deficiência visual a navegar em seus ambientes. Esses cães são treinados para evitar obstáculos, sinalizar mudanças no terreno, como degraus ou buracos, e atuar como os olhos de seus donos em espaços públicos. Além de proporcionar mobilidade, os cães-guia também oferecem companhia, contribuindo significativamente para a qualidade de vida e independência de seus donos.

História dos cães-guia

A parceria entre cães e seres humanos na assistência à navegação para pessoas cegas remonta à idade média. No entanto, foi durante a Primeira Guerra Mundial que esta atividade canina realmente se desenvolveu, quando foi criada a primeira escola de cães-guia, devido ao fato de muitos soldados alemães terem ficado cegos durante o conflito.

Esses animais são treinados rigorosamente para discernir entre ambientes seguros e perigosos, uma habilidade que os torna companheiros indispensáveis.

Cães guia em ação na década de 40 nos Estados Unidos
Cães guia em ação na década de 40 nos Estados Unidos

Na década de 1950, essa prática chegou ao Brasil, onde hoje estima-se que existam cerca de 150 cães-guia para mais de um milhão de pessoas com deficiência visual severa. A escassez de cães-guia no Brasil pode ser atribuída ao número limitado de treinadores especializados e ao alto custo de treinamento desses animais.

Funções de um cão-guia

Os cães-guia desempenham uma série de funções vitais que vão além de simplesmente guiar uma pessoa por caminhos físicos. Eles são treinados para oferecer suporte em diversas situações do dia a dia, garantindo segurança e facilitando a mobilidade de seus donos. Aqui estão algumas das principais funções que um cão-guia realiza:

  1. Navegação e orientação: O papel principal de um cão-guia é ajudar seu dono a se locomover de forma segura em ambientes diversos, desde calçadas movimentadas até áreas internas como shoppings e escritórios. Eles são treinados para evitar obstáculos baixos e altos que podem apresentar riscos.
  2. Sinalização de perigos: Além de evitar obstáculos, cães-guia são treinados para alertar sobre perigos iminentes como veículos em movimento ou buracos na calçada. Eles também ajudam a identificar mudanças no relevo, como escadas e rampas.
  3. Acesso público: Com treinamento especial, cães-guia são capazes de acessar lugares públicos onde animais de estimação normalmente não são permitidos. Isso inclui transportes públicos, restaurantes, e outros estabelecimentos, assegurando que a pessoa com deficiência possa participar mais ativamente da sociedade.
  4. Suporte emocional: A presença constante de um cão-guia também oferece benefícios emocionais significativos. Eles proporcionam companhia, reduzem a ansiedade e aumentam a confiança de seus donos, facilitando interações sociais e diminuindo a sensação de isolamento.
  5. Atuação em emergências: Em situações de emergência, cães-guia são treinados para buscar ajuda ou levar seus donos a um local seguro, agindo de maneira calma e orientada.
Cão guia em ação conduzindo um deficiente visual
Cão guia em ação conduzindo um deficiente visual

Responsabilidades de um cão-guia

Os cães-guia são treinados para assumir várias responsabilidades que garantem a segurança e bem-estar de seus donos. Aqui estão as principais responsabilidades de um cão-guia:

  1. Posicionamento e condução: O cão-guia deve caminhar consistentemente ao lado esquerdo do dono, mantendo uma linha reta e posicionando-se alguns passos à frente. Este posicionamento permite que o cão antecipe e evite obstáculos de maneira eficaz.
  2. Comando e obediência: Estes cães são treinados para seguir comandos específicos, mas também têm a capacidade de desobedecer um comando se perceberem que a ação poderia colocar o dono em perigo. Por exemplo, se um comando de ‘andar’ for dado, mas houver um carro se aproximando, o cão recusará mover-se até que seja seguro.
  3. Foco no trabalho: Durante o serviço, o cão-guia deve manter foco total, evitando distrações como comida, outros animais ou interações sociais. Eles aprendem a ignorar esses estímulos para concentrar-se exclusivamente em suas tarefas.
  4. Sinalização de obstáculos e perigos: O cão deve alertar sobre qualquer obstáculo ou perigo iminente, como escadas, buracos ou tráfego intenso, garantindo que o dono possa reagir adequadamente e manter-se seguro.
  5. Entrada e saída de veículos: Eles também são ensinados a ajudar seus donos a entrar e sair de veículos de forma segura, garantindo que ambos estejam posicionados corretamente e prontos para prosseguir a jornada.
  6. Atenção ao ambiente: Além de guiar, é essencial que o cão-guia esteja sempre atento ao ambiente, adaptando-se a mudanças e garantindo uma navegação segura em todos os momentos.

Essas responsabilidades demonstram a complexidade do treinamento e a importância vital dos cães-guia para a independência de pessoas com deficiência visual.

O treinamento de um cão-guia tem início com a socialização do filhote escolhido a dedo como o mais calmo da ninhada
O treinamento de um cão-guia tem início com a socialização do
filhote escolhido a dedo como o mais calmo da ninhada

Como um cão-guia é treinado?

O processo de treinamento de um cão-guia é meticuloso e dividido em várias etapas para garantir que os cães estejam totalmente preparados para suas responsabilidades. Vamos explorar os cinco módulos básicos de treinamento:

  1. Treinamento básico de obediência: Antes de tudo, os cães-guia passam por um treinamento básico de obediência, que inclui comandos simples como ‘sentar’, ‘ficar’, ‘vir’ e ‘andar ao lado’. Essa fase é crucial para estabelecer uma base sólida para os treinamentos mais avançados.
  2. Habilidades de navegação: No primeiro módulo específico para cães-guia, eles aprendem a caminhar em linha reta ao lado esquerdo de seu dono, mantendo uma distância apropriada para guiar efetivamente sem puxar a guia. Eles também são treinados para evitar obstáculos de todas as alturas.
  3. Subir e descer escadas: No segundo módulo, os cães são ensinados a lidar com escadas. Eles aprendem a iniciar e parar no início e no fim das escadas, garantindo que o dono esteja ciente da mudança de nível do solo.
  4. Desviar de obstáculos e manter-se na calçada: O terceiro módulo envolve ensinar o cão a desviar de obstáculos de forma segura e eficaz. Eles também aprendem a manter-se sempre na calçada, evitando entrar na rua, exceto quando necessário para atravessar.
  5. Atravessar a rua e entrar/sair de veículos: No quarto módulo, os cães aprendem a atravessar a rua de maneira segura. Eles são ensinados a encontrar faixas de pedestres e a responder aos sinais de trânsito, aguardando comandos para cruzar. O quinto e último módulo inclui treinamento para entrar e sair de veículos de forma segura, garantindo que ambos, cão e dono, estejam sempre seguros durante o trânsito.

Este treinamento extenso garante que o cão-guia possa responder a uma variedade de situações e ambientes, proporcionando uma assistência efetiva e segura para seu dono.

Cão em período de instrução
Cão em período de instrução

Quem precisa de um cão-guia?

Cães-guia são treinados para auxiliar pessoas com deficiência visual, no entanto, nem todos os indivíduos com deficiência visual podem ou optam por usar um cão-guia. Vamos explorar quem se beneficia mais do uso de um cão-guia:

  1. Pessoas com deficiência visual severa: Principalmente aqueles que são completamente cegos ou têm visão muito limitada se beneficiam do uso de cães-guia. Estes cães ajudam a navegar em ambientes que podem ser desafiadores apenas com o uso de uma bengala.
  2. Indivíduos ativos e com mobilidade: Pessoas com um estilo de vida ativo que gostam de sair e se envolver em atividades diversas são candidatos ideais para um cão-guia, pois o animal pode ajudar a manter o ritmo e garantir a segurança em diferentes ambientes.
  3. Aqueles que buscam maior independência: Para muitas pessoas com deficiência visual, a dependência de outros para a navegação é uma barreira significativa. Um cão-guia pode oferecer a independência de se movimentar sem a necessidade constante de assistência humana.
  4. Pessoas que estão bem adaptadas à sua deficiência: Idealmente, candidatos a cães-guia devem estar confortáveis com sua deficiência visual e possuir habilidades de orientação e mobilidade. Eles precisam estar aptos a dar comandos e cuidar de um cão.
  5. Aqueles comprometidos com o cuidado de um animal: Ter um cão-guia requer um compromisso de longo prazo com o cuidado do animal, incluindo alimentação, exercícios, cuidados veterinários e higiene. Candidatos devem estar preparados para integrar essas responsabilidades em suas vidas diárias.

Os cães-guia são mais do que ajudantes; eles são companheiros leais que oferecem suporte emocional e prático. No entanto, é importante que os candidatos considerem seriamente suas capacidades e estilo de vida antes de optar por um cão-guia, garantindo que a parceria seja bem-sucedida e benéfica para ambos.

Cão guiando seu tutor numa escada rolante
Cão guiando seu tutor numa escada rolante

Onde encontrar um cão-guia para deficientes visuais?

Encontrar um cão-guia qualificado e bem treinado é um processo que envolve pesquisa e paciência. No Brasil, há várias instituições dedicadas à formação de cães-guia. Esses centros não apenas treinam os cães mas também garantem que sejam emparelhados adequadamente com seus futuros donos. Aqui estão alguns dos principais lugares onde você pode encontrar um cão-guia:

  1. Instituto IRIS (São Paulo): Este instituto é conhecido por seu programa dedicado ao treinamento de cães-guia. Eles também oferecem suporte contínuo aos donos dos cães, assegurando uma transição suave e um relacionamento duradouro.
  2. Instituto Adimax (Sorocaba): Localizado em Sorocaba, este instituto é outro centro líder na formação de cães-guia no Brasil. Eles têm um rigoroso programa de treinamento e uma forte ênfase na qualidade de vida dos animais.
  3. Helen Keller (Balneário Camboriú): Este centro oferece treinamento especializado e também trabalha para educar o público sobre a importância dos cães-guia.
  4. Instituto Carioca de Cão-Guia (Rio de Janeiro): Focado em melhorar a mobilidade das pessoas com deficiência visual no Rio de Janeiro, este instituto é reconhecido por sua excelência no treinamento de cães-guia.
  5. Projeto Cão-Guia DF (Brasília): Servindo a capital do país, este projeto tem como objetivo fornecer cães-guia treinados para ajudar na mobilidade das pessoas cegas ou com visão reduzida em Brasília.
  6. Viver Sem Limites: Este é um projeto do governo que colabora com os Institutos Federais para fornecer cães-guia. Eles fazem parte de uma iniciativa mais ampla para aumentar a acessibilidade e a independência para pessoas com deficiência.

Além desses centros, existem várias outras instituições e iniciativas em todo o país. É importante entrar em contato com essas organizações para entender melhor seus processos de aplicação e elegibilidade.

Belo exemplar de cão guia da raça labrador
Belo exemplar de cão guia da raça labrador

Quanto custa ter um cão-guia?

Possuir um cão-guia envolve diversos custos, não apenas financeiros, mas também de tempo e dedicação para o cuidado adequado do animal. Vamos explorar os principais aspectos financeiros relacionados à posse de um cão-guia:

  1. Custo de aquisição: Normalmente, cães-guia são fornecidos gratuitamente por instituições especializadas através de doações e apoio de patrocinadores. Essas organizações cobrem os custos iniciais de treinamento e preparação dos cães, que podem ultrapassar R$ 35.000,00.
  2. Custos de manutenção: Apesar de a aquisição ser geralmente gratuita, os donos são responsáveis pelos custos de manutenção, que incluem alimentação de qualidade, cuidados veterinários regulares (vacinações, exames, tratamentos preventivos), acessórios como coleiras e camas, e gastos gerais com higiene e cuidado.
  3. Despesas veterinárias: Cuidados veterinários podem incluir visitas regulares para check-ups, tratamentos para eventuais problemas de saúde, e procedimentos de emergência. É prudente considerar a contratação de um seguro saúde para o animal para cobrir possíveis despesas médicas.
  4. Treinamento contínuo e suporte: Alguns donos optam por cursos de reciclagem ou suporte contínuo para garantir que o cão mantenha suas habilidades e comportamento. Isso pode incluir sessões periódicas com treinadores especializados.
  5. Imprevistos e viagens: Outros custos podem surgir com viagens ou necessidades imprevistas, como a compra de equipamentos especiais ou despesas de viagem que incluam o cão.

É importante que os interessados em ter um cão-guia considerem todos esses aspectos e planejem financeiramente para garantir que podem oferecer uma vida plena e saudável para o animal. Possuir um cão-guia é um compromisso de longo prazo que vai além do investimento inicial.

Melhores raças de cão-guia

A escolha da raça do cão-guia é crucial para garantir que as necessidades do dono sejam atendidas de forma eficaz. Algumas raças são especialmente treinadas para essa função devido às suas características físicas e comportamentais. Aqui estão as raças mais comumente utilizadas como cães-guia:

Labrador retriever
Labrador retriever

1-Labrador retriever: Conhecido por sua inteligência, boa natureza e capacidade de trabalho, o labrador retriever é uma das raças mais populares para cães-guia. Eles são adaptáveis, amigáveis e têm um excelente temperamento para o trabalho com pessoas. Ele é o cão-guia mais visto nas ruas.

É vista como uma das raças mais companheiras e amigas do homem. Historicamente trabalhava como ajudante do pescador. O labrador hoje é uma das raças mais populares é comumente visto em buscas e salvamentos. É bastante ativo, gosta de correr, nadar e praticar muitos outros exercícios. São conhecidos por seu temperamento amável ​​e sua paciência e encabeçam a lista dos cães mais inteligentes e fáceis de adestrar.

Golden Retriever
Golden Retriever

2-Golden retriever: Semelhante ao labrador em muitos aspectos, o golden retriever é igualmente popular como cão-guia. Eles são conhecidos por sua paciência, inteligência e habilidade de se concentrar em tarefas, além de serem extremamente leais e amigáveis.

São geralmente tão amáveis com os estranhos como com os mais familiares. O típico golden retriever é calmo, naturalmente inteligente e obediente, com uma ânsia de agradar excepcional. A maioria dos goldens são de alta energia e precisam de muito exercício, como a agilidade do cão. É um dos melhores cães classificados por treinabilidade e obediência. Esses cães também são famosos por sua paciência com as crianças.

Os golden retrievers adultos têm amor ao trabalho e têm uma grande habilidade para se concentrar em uma tarefa. Eles aparentemente trabalham até ao colapso, por isso o cuidado deve ser tomado para evitar a sobrecarga de trabalho deles.

A raça é particularmente valorizada pelo seu alto nível de sociabilidade com as pessoas, por sua calma e sua vontade de aprender. Também atuam como cães de busca e salvamento.

Pastor alemão
Pastor alemão

3-Pastor alemão: Esta raça é valorizada por sua força, inteligência e capacidades de trabalho. Os pastores alemães são protetores e têm um alto nível de energia, o que os torna adequados para pessoas com estilos de vida mais ativos. É considerado um cão fiel, atento, seguro, autoconfiante, equilibrado, inteligente e altamente destemido. Fácil de adestrar, tem boa convivência com crianças da família e outros cães, desde que socializado.

É reservado com estranhos e bastante alerta, não recua mediante ao perigo mesmo sob forte agressão inclusive de armas de fogo ou explosivos, qualidades que lhe favorecem a função de guarda, da qual não raramente são citados por muitos como os mais eficientes.

Animais da raça border collie
Animais da raça border collie

4-Border collie: Embora menos comum, o border collie é altamente inteligente e capaz de realizar tarefas complexas, o que pode ser muito útil em ambientes urbanos complexos. Eles são rápidos para aprender e sempre prontos para trabalhar.

O border collie precisa de exercícios físicos diários e estimulação mental, devido a sua grande energia, seu instinto para a caça e sua grande necessidade de trabalhar. É considerada uma das raças mais inteligentes de cães. Em janeiro de 2011, uma pesquisa mostrou que essa raça pode aprender 1.022 palavras e ações. Os border collies frequentemente participam e se destacam em eventos de pastoreio, competições de obediência, agility, rally e rastreamento, além de esportes como disco e flyball.

Boxer
Boxer

5-Boxer: Os boxers são conhecidos por sua lealdade e proteção. Eles são fortes e vigorosos, com uma boa dose de paciência e um temperamento amigável, o que pode ser ideal para cães-guia.

São excelentes cães de guarda e de companhia também. O boxer deve ter nervos firmes, ser seguro, tranquilo e equilibrado. Sua ligação e fidelidade para com seu dono e sua família, sua vigilância e sua intrépida coragem são conhecidas há muito tempo.

Ele é dócil no meio familiar, mas desconfiado com estranhos. Alegre e afetuoso na brincadeira, contudo destemido quando a situação é séria. Fácil de ser treinado graças a sua inteligência, docilidade, segurança, coragem e mordacidade natural. Gostam de estar perto dos donos, mas não é uma raça que exige estar sempre perto e atenção total.

Ao longo dos anos o boxer tem desempenhado várias funções, como cão militar, cão policial, cão de guarda, cão de caça pesada e cão de companhia.

Poodle
Poodle

6-Poodle: Os poodles são escolhidos por suas habilidades cognitivas e pelo fato de serem hipoalergênicos, o que é uma vantagem para donos com alergias. Eles são inteligentes e adaptáveis, com uma capacidade excepcional de serem treinados.

O cão da raça poodle costuma apresentar temperamento dócil e obediente, identificação com crianças e brincalhão. De fácil adestramento, foi citado em “A Inteligência dos Cães como a 2ª raça mais inteligente do mundo, somente atrás do border collie.

Fiel e companheiro. Gosta e necessita muito de companhia, principalmente da do dono. Portanto, são ótimos como cães de companhia. Carinhoso com o dono e pessoas conhecidas. Sente grande ciúme de pessoas desconhecidas e outros cães.

Outras raças que podem servir como cães-guia são o Pastor Australiano e o Husky Siberiano, embora não seja tão comum vê-los nessa função. São inteligentes e têm boa capacidade de trabalho, mas podem exigir dos donos uma razoável experiência em lidar com raças mais enérgicas.

Cada uma dessas raças traz qualidades únicas para o papel de cão-guia, e a escolha depende das necessidades individuais e do estilo de vida do dono. É importante que o processo de emparelhamento considere tanto as características da raça quanto as preferências pessoais do usuário.

O cão guia - algumas dicas

Curiosidades sobre o cão-guia

Os cães-guia são mais do que simplesmente animais de assistência; eles são companheiros incríveis com características e habilidades fascinantes. Aqui estão algumas curiosidades que muitas pessoas podem não conhecer sobre esses cães extraordinários:

  1. Aposentadoria dos cães-guia: Cães-guia geralmente se aposentam por volta dos 8 a 10 anos de idade, dependendo da saúde e do vigor do cão. Após a aposentadoria, eles podem continuar a viver com seus donos ou serem adotados por outras famílias.
  2. Direitos de acesso: Cães-guia têm direito legal de entrar em todos os tipos de estabelecimentos públicos e privados, o que inclui restaurantes, lojas, hotéis e até mesmo cabines de avião. Este direito é protegido por lei em muitos países, incluindo o Brasil.
  3. Viajar com cães-guia: É permitido viajar com cães-guia em muitos modos de transporte público, incluindo aviões. As companhias aéreas geralmente têm políticas específicas para acomodar cães-guia sem custos adicionais.
  4. Interagir com um cão-guia em serviço: É importante não distrair um cão-guia enquanto ele está trabalhando. Interagir com um cão-guia sem o consentimento do dono pode colocar tanto o cão quanto o dono em risco, pois isso pode tirar o foco do cão de suas responsabilidades.
  5. Treinamento especial: Durante o treinamento, os cães-guia aprendem a diferenciar entre o tempo de trabalho e o tempo de lazer por meio de sinais como o uso de seu arnês. Quando o arnês está posto, eles sabem que é hora de trabalhar e se concentrar totalmente em suas tarefas.
  6. Cuidados especiais: Cães-guia precisam de uma rotina de cuidados muito específica, que inclui alimentação programada, exercícios regulares e cuidados médicos preventivos. Manter uma rotina é crucial para o bem-estar físico e mental do cão.

Essas curiosidades destacam o quão especializados e admiráveis são os cães-guia, e o importante papel que desempenham na melhoria da qualidade de vida de muitas pessoas com deficiência visual.

Relação de muito amor e respeito
Relação de muito amor e respeito

Como ter um cão guia?

Ter um cão-guia é um compromisso sério e requer uma avaliação cuidadosa e preparação. Aqui estão os passos e considerações importantes para quem deseja ter um cão-guia:

1-Avaliação das necessidades e desejos:

  • Reflexão pessoal: Antes de mais nada, é essencial que o interessado reflita sobre suas necessidades reais e motivações para ter um cão-guia. É importante avaliar se a presença constante de um cão, as responsabilidades envolvidas e os benefícios esperados estão alinhados com o estilo de vida e as capacidades individuais.

2-Afinidade com cães:

  • Gosto por animais: Certificar-se de que você gosta de cães e está confortável ao redor deles é crucial, já que o cão-guia estará com você praticamente 24 horas por dia.

3-Preparação financeira e logística:

  • Custos e cuidados: Considerar se está disposto a arcar com os custos de manutenção, como alimentação, cuidados veterinários e outros gastos relacionados ao bem-estar do cão.
  • Mudança de rotina: Estar preparado para adaptar sua rotina para atender às necessidades do cão, como horários para alimentação e passeios.

4-Processo de candidatura:

  • Pesquisa de instituições: Identificar e entrar em contato com instituições que fornecem cães-guia. Como mencionado anteriormente, instituições como o Instituto IRIS, Instituto Adimax, entre outros, são pontos de partida para entender o processo de candidatura e treinamento.
  • Entrevistas e seleção: O processo geralmente inclui entrevistas e uma avaliação para garantir que tanto o potencial dono quanto o cão-guia são compatíveis e podem trabalhar bem juntos.

5-Treinamento Conjunto:

  • Orientação e mobilidade: É vital que o candidato já possua habilidades básicas de orientação e mobilidade. O treinamento conjunto com o cão ajudará a fortalecer a parceria e garantir que ambos possam navegar com segurança no ambiente.

6-Adaptação e integração:

  • Período de adaptação: Após receber o cão-guia, haverá um período de adaptação onde dono e cão aprenderão a trabalhar juntos eficazmente.
  • Suporte contínuo: Muitas instituições oferecem suporte contínuo para ajudar com qualquer desafio que possa surgir durante a vida útil do cão-guia.
Deficientes visuais desenvolvem forte laço afetivo com seus cães-guia. A relação entre um deficiente visual com seu cão-guia é construída ao longo dos anos. É diferente de um bicho de estimação. No dia a dia, se aprende a entender o sentimento um do outro
Deficientes visuais desenvolvem forte laço afetivo com seus cães-guia. A relação entre
um deficiente visual com seu cão-guia é construída ao longo dos anos. É diferente de
um bicho de estimação. No dia a dia, se aprende a entender o sentimento um do outro

Cão-guia, um serviço de amor

Cães-guia não são apenas assistentes para navegação; eles são verdadeiros parceiros que transformam vidas, oferecendo autonomia, segurança e companheirismo para pessoas com deficiência visual.

É essencial que as pessoas interessadas em ter um cão-guia estejam bem informadas sobre o compromisso que isso implica, tanto em termos de tempo quanto de recursos financeiros. Além disso, a relação entre um cão-guia e seu dono é construída sobre uma base de respeito mútuo e compreensão, onde ambos trabalham juntos para superar desafios diários.

Os cães-guia são mais do que meros animais de serviço. Eles são heróis silenciosos que dedicam suas vidas para servir. Cada cão-guia tem uma história única e um impacto profundo na vida de seu dono, oferecendo não apenas guia, mas também uma amizade incondicional.

Para aqueles que consideram essa opção, lembre-se de que ter um cão-guia é uma jornada de amor, paciência e crescimento mútuo. Ajudam não só a navegar pelo mundo físico, mas também a ver o mundo através de uma lente de possibilidades e esperança.

Perguntas frequentes

Esperamos que este artigo tenha fornecido informações valiosas e encorajadoras para quem considera a maravilhosa parceria de ter um cão-guia. Se tiver alguma dúvida ou precisar de mais informações, entre em contato.

Leia também: