CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

AgriculturaAgricultura FamiliarGestão, Mercado e EconomiaLogísticaMeio Ambiente e EnergiaNotícias

Máquina agrícola sem limpeza não entra no Paraná

Transporte de máquinas agrícolas

Desde o início de dezembro, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) intensificou as ações de fiscalização e vistoria a máquinas e implementos agrícolas que entram no Estado. O maquinário que não estiver com todos os compartimentos limpos adequadamente não poderá cruzar as divisas do Paraná. A medida tem por objetivo evitar a entrada de pragas e plantas daninhas, que podem ser conduzidas em colhedoras e outros equipamentos, caso não sejam limpos adequadamente.

As inspeções ocorrem em todos os Postos de Fiscalização de Trânsito Agropecuário (PFTAs) da Adapar, situados nas divisas do Paraná com outros Estados. Segundo a coordenação do Programa de Certificação, Rastreabilidade e Epidemiologia Vegetal da agência, os fiscais fazem a inspeção visual do maquinário, a fim de constatar as condições de limpeza. Caso as máquinas e implementos não estejam devidamente limpos, a entrada será “rechaçada” – ou seja, os veículos não poderão entrar no Estado. Impedidas de cruzar as fronteiras estaduais, as máquinas deverão retornar, passar por limpeza adequada, e só então sua entrada será autorizada.

Esse procedimento é adotado objetivando proteger o setor agricultura do estado, pois os restos culturais e solo aderidos às máquinas que vêm de outros estados podem trazer pragas, como nematoides e sementes de plantas daninhas, capazes de provocar sérios danos às lavouras paranaenses.

Ponto de fiscalização da Adapar
Ponto de fiscalização da Adapar
Plantadeira sem limpeza adequada
Plantadeira sem limpeza adequada

A ação tem apoio direto do Senar-PR, que desenvolveu um procedimento de limpeza de colhedoras e outros implementos. Com base nisso, a entidade promoveu dois treinamentos a técnicos da Adapar, para que estejam aptos a inspecionar os maquinários e identificar quando estão adequadamente limpos, sem risco de trazer pragas e plantas daninhas ao estado. No total, 30 servidores da agência estadual foram capacitados.

Foram realizadas visitas a campo para entender a extensão do problema, definir os parâmetros de uma máquina considerada contaminada e que pode oferecer riscos à agricultura do estado. Com isso, definiu-se um processo eficaz de limpeza de todos os compartimentos, usando ar comprimido ou soprador.

Treinamento do Senar-PR
Treinamento do Senar-PR
Treinamento do Senar-PR
Treinamento do Senar-PR

No treinamento, foram utilizados diferentes modelos de colhedoras e implementos agrícolas, dando a possibilidade de os participantes entenderem os conceitos aplicados em tipos variados de equipamentos.

Os técnicos puderam, na prática, verificar uma máquina limpa, o acúmulo de resíduos e quando esse acúmulo pode causar contaminação. Quando as máquinas chegam aos postos da Adapar, os técnicos têm condições de fazer essa inspeção de forma assertiva.

Ação preventiva

Além da intensificação da fiscalização, a Adapar também adotou uma ação preventiva de orientação. Quando as máquinas agrícolas passam pelos PFTAs, saindo do Paraná com direção a outros estados, os transportadores são informados da necessidade de os equipamentos estarem completamente limpos quando retornarem ao território paranaense. Para reforçar essa iniciativa, o Senar-PR produzirá uma cartilha explicando como deve ser feita a limpeza do maquinário. Além disso, o protocolo de limpeza desenvolvido pelo Senar-PR deve ser incluído como módulo extra nos cursos de colhedora de grãos, já ofertados pela entidade.

Pontos de atenção numa colheitadeira
Importante a limpeza adequada das máquinas e implementos agrícolas
Importante a limpeza adequada das máquinas e implementos agrícolas

A expectativa é que a Adapar e o Senar-PR façam trabalhos de orientação e divulgação em eventos agropecuários pelo estado.

Risco

O trânsito entre máquinas agrícolas entre estados não é raro. O caso mais recorrente é o de prestadores de serviços – os chamados prancheiros –, que são contratados para fazer colheita de grãos ou que alugam seu maquinário a agricultores. Também há casos de produtores com propriedades rurais em diferentes estados e que transportam os implementos em época de colheita.

Recentemente, a Adapar acendeu um alerta em relação ao caruru-palmeri (Amaranthus palmeri), planta daninha que ainda não está presente nas lavouras do Paraná, mas que já foi identificada com incidência preocupante em outros estados, como Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A praga tem crescimento rápido e é extremamente agressiva: segundo a Embrapa, uma única planta pode dar origem a mais de 100 mil sementes, em condições ideais de crescimento, facilitando a disseminação. Além disso, a planta daninha é resistente a herbicidas.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *