Agricultura familiar -  Saiba tudo sobre o Pronaf

Cavalos juntos à cerca do piquete

A organização de um haras, além de propiciar gestão e operação mais eficientes, tem uma função muito importante: é a imagem do estabelecimento

Organização é a palavra mágica para qualquer atividade profissional. No caso de um haras não poderia ser diferente. É a base para o sucesso da atividade. Parece simples mas organização é fundamental para o bom funcionamento do empreendimento, seja um haras ou um centro hípico de treinamento.

Para que seus animais, voltados para competições ou mesmo para reprodução, tenham bom desempenho e seu empreendimento alcance bons resultados, além do treinamento, da seleção, do melhoramento genético, da boa nutrição e manejo, é fundamental que haja organização do haras.

A organização, além de propiciar uma operação mais eficiente, tem uma função muito importante que muita gente não leva em consideração, despreza: a imagem do estabelecimento. Todo mundo está cansado de saber que a propaganda é a alma do negócio. E propaganda é boa aparência. Você não vai ter bom resultado fazendo propaganda de um negócio bagunçado, desleixado, certo? Então hoje vamos falar da organização do haras.

Cocheira com piquetes

Instalações

Esse é o primeiro passo para que a facilitação da organização que resulte em uma operacionalização eficiente. Por mais simples que seja o haras ou centro hípico, o investidor tem que planejar muito bem as instalações de acordo com o propósito do empreendimento, as condições financeiras, as características da raça (caso pretenda se especializar na produção de uma determinada raça), as características da propriedade, dentre outros pontos.

Para isso, orientação técnica é fundamental, não só para construir, como para reformar ou adaptar. Existem profissionais e empresas especializadas nesse setor. Definidas as instalações, estas deverão ser muito bem mantidas, com relação à pintura, ao sistema hidráulico e elétrico, à cobertura, aos equipamentos e acessórios. Com relação ao revestimento ou pintura, procure optar por materiais e cores que não agridam a paisagem, que se integrem ao ambiente e que traga conforto e sensação de abrigo e segurança para os animais, como também para o bem estar da equipe que ali trabalha.

Além da cocheira com as baias para os animais, é interessante projetar:

  • um depósito de ração e feno;
  • quarto de tralhas (selas, cabeçadas, equipamentos, etc.);
  • depósito de ferramentas e equipamentos;
  • baias para animais especiais ou que precisem de cuidados especiais;
  • farmácia veterinária;
  • sanitários e vestiários para a equipe;
  • escritório;
  • box para lavagem de animais;
  • cochos;
  • bebedouros;
  • sistema de circulação (carreadores ou corredores);
  • lanchonetes;
  • piquetes;
  • redondel;
  • pista hípica;
  • capineiras;
  • composteira/esterqueira; etc.

Lembre-se, cada atividade para cavalos ou raça de cavalo exige uma alimentação diferente, suplementação e principalmente espaços diferentes, por isso orientação técnica em todas as etapas é fundamental.

Cocheira

Um cuidado especial o equinocultor tem que ter com as baias. A baia é o abrigo do seu animal. É nessa instalação que seu cavalo passará a noite, dormindo com conforto e protegendo-se das mudanças climáticas que podem acontecer. Para que essas baias sejam adequadas para os seus animais, é necessário analisar a qualidade desses abrigos, desde a sua proteção até o seu tamanho, que precisa ser adequado para o equino se mover quando estiver dentro dele à noite. Recomenda-se pelo menos as medidas de 4 x 4 m. Essa instalação deve ter drenagem e piso apropriados, cocho, bebedouro automático, grade de feno, iluminação e ventilação adequada e reguláveis, portas de boa qualidade, divididas (em duas partes, uma superior e outra inferior), com ferragens seguras e de boa qualidade.

Profissionais experientes no assunto podem garantir materiais acessíveis e com um resultado satisfatório, focado sempre o bem-estar do animal. Essa orientação é muito importante para a elaboração do projeto, considerando-se pontos importantes: construir as instalações no local mais adequado da propriedade para o perfeito funcionamento da atividade; observar a orientação das construções no terreno; levar em conta as características da região e caso você não more na propriedade, avaliar as condições de deslocamento, como também as operações de logística.

Pastagens e forrageiras

Definida a raça e, dependendo dessa escolha, as modalidades de provas e tipos de treinamentos que seus cavalos participarão e exigirão, juntamente com o projeto das instalações o equinocultor deve pensar na alimentação dos animais. É muito importante esse ponto, pois recomenda-se você não receber os animais sem ter a boa alimentação garantida. Deve constar nesse planejamento os tipos de pastagens a serem utilizados, as áreas de capineiras e mesmo lavouras voltadas para a alimentação dos animais, as áreas de produção de feno, os locais destinados a esse setor do haras, como também a disposição dos piquetes.

Cavalos pastando no piquete

A alimentação básica (pastagens e forrageiras) é importantíssima e uma das bases da criação de cavalos mas não podemos esquecer da suplementação que também é muito importante para auxiliar na alimentação de seu animal, pois caso a pastagem ou os fenos não tenham tanta qualidade, poderá não suprir todas as suas necessidades e, às vezes, até fazer mal ao equino. Nesse sentido, recomenda-se cuidado especial com o manejo nutricional dos animais sempre analisando a qualidade do pasto, forrageiras e feno produzidos na propriedade. A formulação da alimentação deve ser feita pela equipe técnica de acompanhamento do haras. Por isso a elaboração de um plano de manejo nutricional é muito importante.

Equipe

Nesse ínterim, você já deve ter os técnicos responsáveis pelo projeto físico e pelo manejo técnico (manejo nutricional; reprodutivo; sanitário; condicionamento físico) da criação (assessoria: veterinário/zootecnista/agrônomo). Agora, o próximo passo, é formar o restante da equipe de trabalho de rotina do haras. Esse pessoal deve estar em sintonia com o proprietário do empreendimento e com o próprio haras. Você vai precisar de gerente, tratadores, treinadores, encarregado para a doma racional dos animais, enfermeiro (auxiliar veterinário), casqueador/ferrageador (pode ser temporário conforme o porte do haras), além do pessoal envolvido na produção da alimentação e auxiliares gerais. É evidente que essa composição da equipe variará de acordo com o porte do empreendimento.

Amazona dando banho no cavalo

Todos os funcionários devem estar devidamente capacitados para as funções e orientados corretamente de como se portar na frente de um cliente/visitante durante uma visita ao haras, principalmente com o objetivo de sanar todas as dúvidas que este cliente/visitante tiver, bem como cuidar com o trato do cavalo na frente de pessoas que podem não estar acostumadas com o dia-a-dia de um haras ou centro hípico. Toda a equipe deve estar atenta para comunicar ao seu superior hierárquico ou ao gerente geral qualquer problema detectado em algum animal, em alguma instalação ou sistema de produção. É importante que todos estejam uniformizados com roupas adequadas e logotipadas. Essas roupas devem permitir a operação segura e eficiente das tarefas, serem confortáveis e estarem em perfeitas condições de uso, sem esquecer da limpeza. Isso denota organização e boa aparência.

Limpeza

Um dos princípios fundamentais da perfeita disposição do espaço é a facilitação da limpeza, seja ela das baias, corredores, etc. A limpeza das instalações deve ser feita duas vezes ao dia (manhã e tarde) e toda vez que se fizer necessária (algum acidente ou imprevisto que cause alguma sujeira no local).

Os espaços utilizados pelos trabalhadores, competidores e pessoas que frequentam o local, como banheiros, também precisam estar sempre limpos. Se o banheiro for de uso coletivo, feminino e masculino, a limpeza é totalmente imprescindível e constante.

A higiene da baia é fundamental para manter a boa saúde dos seus animais. Esse serviço pode fornecer informações relevantes sobre o seu animal. É interessante que você observe a consistência de suas fezes, a conformação da cama e verifique a capacidade que ela está tendo de absorver água. Assim você pode prevenir possíveis complicações futuras. Além disso, a saúde e o bem-estar dos animais dependem do ambiente em que eles vivem, por isso deve ser um ambiente limpo, arejado e confortável. A cama deve ser examinada pelo menos duas vezes ao dia (de manhã e à tarde). Com o garfo/forcado retire todo o esterco e toda a parte molhada pela urina, lembrando que toda a serragem retirada junto com o esterco e com a urina deve ser reposta por material limpo, para que não haja desníveis. Mesmo com essa limpeza diária deve-se ficar de olho nos níveis de amônia. A amônia é um composto nitrogenado presente na urina dos cavalos, mas em níveis altos pode ser nociva, causando condições inflamatórias nas vias aéreas dos equídeos. Boa ventilação e estratégias de higiene práticas são necessárias para livrar o ambiente de amônia. Tenha o hábito de trocar a cama dos cavalos uma vez a cada 15 dias pelo menos. Observe diariamente a drenagem do piso da baia. Os cavalos não podem ficar em contato com as fezes e urina.

Tratador limpando a baia

Cocho e bebedouro devem ser lavados com água corrente duas vezes ao dia e vistoriados constantemente. Deve-se limpar o cocho de ração após cada refeição, com a ajuda de uma escova para tirar partículas de alimento que sobraram, evitando que elas apodreçam e sejam ingeridas pelo seu cavalo na próxima refeição. A proliferação de fungos pode levar seus cavalos a desenvolver doenças. Cochos de concreto precisam de mais atenção do que os metal, por serem mais porosos acumulam mais partículas. Essa limpeza diária do bebedouro não permitirá a formação de limo no fundo que pode trazer problemas pra saúde digestiva dos equinos. Portanto esvazie o bebedouro e esfregue o fundo e as laterais para limpá-lo. Uma baia corretamente desinfetada significa uma baia livre de ectoparasitas, de moscas e cascudinhos. Numa baia corretamente desinfetada, seu animal estará mais confortável e com menos estresse, o que o deixará menos tenso e irritado facilitando o manejo, proporcionando ganho de peso e uma vida mais saudável.

Medicamentos/Farmácia veterinária

Mesmo adotando as melhores práticas de manejo, todo o criador está sujeito a passar por situações de emergência junto aos equinos. Além da calma e do conhecimento técnico necessária para a equipe, alguns itens são indispensáveis para conduzir a situação da melhor maneira possível e oferecer os primeiros socorros ao seu animal. Quando um imprevisto ocorre, a melhor conduta é agir de forma rápida e inteligente. Por isso, é importante manter uma farmácia minimamente equipada e abastecida com medicamentos veterinários de forma acessível.

Essa farmácia deve estar prevista no projeto das instalações visto anteriormente. Ela deve estar equipada com bancada, armário/depósito com chave, móveis veterinários, bancada com pia, geladeira, água corrente (quente/fria), climatização, botijão de sêmen (para o caso de inseminação artificial), banheiro completo e se for possível e necessário (verificar com o médico veterinário), microscópio, ultra-som, estufa, dentre outros equipamentos. Essa relação de equipamentos, como falamos ainda a pouco, deve ser definida com o auxílio do médico veterinário responsável pelo projeto. Ele é a pessoa mais indicada para relacionar os equipamentos, materiais e medicamentos que comporão essa pequena mas funcional farmácia.

Médica veterinária medicando um equino

Os itens desta farmácia irão ajudá-lo a tratar de problemas corriqueiros como também podem ser utilizados enquanto o médico veterinário chega ao local da emergência caso você não tenha assistência permanente deste profissional na propriedade. Valem os lembretes para uma boa organização:

  • Inclua na farmácia itens de primeiros socorros, anti inflamatórios, antiparasitários, mata bicheiras, antibióticos, antissépticos, cicatrizantes, repelentes, vitaminas, soro, anti térmico, corticoide; água destilada;
  • Não esqueça de incluir ataduras para equinos, seringas, agulhas, pinças, termômetro, instrumentos veterinários, etc.;
  • Mantenha os medicamentos separados por categoria;
  • Fique atento constantemente aos prazos de validades de todos os medicamentos e utilize-se de boas práticas de conservação desses produtos;
  • Descarte os medicamentos fora de validade utilizando-se dos protocolos corretos para esse fim;
  • Evite desperdício tendo um bom controle de estoque;
  • Capacite um funcionário (enfermeiro ou auxiliar veterinário por exemplo) para cuidar exclusivamente desse setor tão importante para o haras.

Não precisamos lembrar que a limpeza e desinfecção permanente dessa instalação é fundamental para toda a operação. Uma farmácia completa, limpa e organizada é ferramenta muito importante para o sucesso.

Equipamentos de montaria

Para qualquer que seja a finalidade do haras (reprodução; treinamento; doma; pensão), você terá vários equipamentos de montaria:

  • selas (estribos; loros; barrigueiras);
  • mantas;
  • látegos;
  • cabrestos;
  • cabeçada;
  • embocaduras (bridões; freio-bridões; freios);
  • alforges.

O cuidado com esses materiais é fundamental para estender a durabilidade e mantê-los em perfeitas condições para o uso. Todos precisam de atenção especial para que não sofram o desgaste prematuro causado pelo uso recorrente. Cuidando desses equipamentos você garantirá uma cavalgada segura.

Selas limpas secando ao ar livre

É importante lavar as selas pelo menos uma vez por semana se são usadas frequentemente, assim você evita que impurezas e suor fiquem presos ao material. Preste atenção especial às partes que estão em contato com o metal, como fivelas e estribos. Água quente costuma ser mais eficiente para a limpeza do couro da sela e demais materiais de couro.

Além de limpar com água (quente de preferência) e sabão neutro, é essencial que o couro seja devidamente condicionado e hidratado com produtos específicos para esse material. Essa hidratação do couro é importante. Os pontos que exigem mais dedicação de limpeza são aqueles que ficam mais tempo em contato com itens de metal, como os estribos e embocaduras. Para manter o couro hidratado e em bom estado vale a pena investir num bom condicionador. Um dos grandes erros que se pode cometer é o de não usar produtos para couro, com o passar do tempo o preço cobrado pode ser muito alto com a descamação da sela e outros materiais.

Os metais também devem ser limpos, secos e lubrificados para que não enferrujem. Higienizar as embocaduras após o uso é muito importante, pois embocadura suja pode causar feridas na boca de seu animal. Após o uso, lave com água e pelo menos uma vez por mês escove com sabão ou detergente neutro, ou mesmo sabão de coco, as laterais para retirar restos de grama e outros materiais provenientes da saliva do animal que ficam incrustados nas junções da embocadura. Depois da lavagem, seque bem com um pano, pendure e deixe secar ao ar livre e antes de guardar no lugar devido lubrifique a peça com a ajuda de uma flanela e vaselina neutra.

Quarto de selas

Não podemos deixar de mencionar a atenção que deve ser destinada às mantas. Como as mantas estão sujeitas a intenso atrito e contato com o suor, elas devem ser periodicamente viradas para o sol para que sequem com mais rapidez. Tenha o hábito de lavar as mantas periodicamente para eliminar os resíduos de suor e sujeira. Lembre-se, a manta deve estar sempre limpa para que ofereça um melhor desempenho para o cavaleiro e bem estar ao cavalo.

Além dos materiais relacionados diretamente à montaria, existem os materiais destinados à proteção e limpeza dos animais, como capas, protetores para rabos, protetores para viagens, caneleiras, boleteiras, ligas, escovas, raspadores, etc. Todo esse material também terá de se mantido limpo e organizado, separado por categorias.

Por tudo isso é que o haras deverá ter um quarto para a guarda desses materiais (a sugestão consta no projeto inicial como mencionado acima). Essa instalação deve fazer parte da cocheira de forma que facilite o acesso do equipamento ao animal. Esse quarto deve estar equipado com cabides/cabideiros/ganchos para cabeçadas, suportes para selas, armários, penduradores para embocaduras, prateleiras e nichos, baús, gavetões, caixas organizadoras, sapateiras (para botas e botinas), etc. Esse ambiente deve ser muito bem organizado para facilitar o acesso aos equipamentos e materiais e a limpeza deve ter especial atenção. Se preferir, pode usar o velho método da etiquetagem, assim quando um funcionário novo precisar pegar ou achar algo e estiver com pressa, ele não terá grandes problemas.

Manter esse espaço organizado é uma das maneiras mais eficientes para deixar seu dia a dia prático. Afinal, é bem mais simples procurar pelas coisas quando você sabe onde elas estão. Esse conceito se aplica a todos os departamentos do haras, inclusive o quarto de sela.

Para quem tem muitos cavalos, manter uma rotina de organização é um fator essencial. Por fim, atenção redobrada para equipamentos de crianças e amadores.

Ferramentas e equipamentos

O manejo do haras exige a utilização de diferentes ferramentas manuais e elétricas, como também de alguns equipamentos, como lava jato, roçadeiras manuais, etc. Se você quer a melhor organização, é imperativo que você não perca tempo procurando a ferramenta certa. Por isso a necessidade de você organizar um espaço para esse material. Pode ser um anexo ao quarto de sela.

Depósito de ferramentas

Esse espaço deve conter um armário, suportes para ferramentas agrícolas manuais (forcados, enxadas, pás, etc.), espaço para equipamentos elétricos (lava jato, roçadeiras portáteis, furadeira, etc.), uma bancada de madeira com torno para manutenção dessas ferramentas, um moto-esmeril para afiação, baús, caixas organizadoras, etc. Lembre-se sempre: junto com a organização vem sempre a limpeza constante.

Depósito de ração e feno

Outra unidade que deve constar no projeto do haras e que deve estar próximo às baias. Um local de fácil acesso que rapidamente os tratadores alcancem o alimento para os animais na hora de passar o trato. Centralizar este depósito permite que os tratadores façam seu trabalho com maior eficiência, uma vez que serão menos passos na rotina diária. Esse depósito deve ter pallets ou estrados suspensos para que tanto o feno quanto a ração não tenham contato direto com o piso. A sacaria de rações é separada por tipos. Deve ser arejado, seco, iluminado, com portas largas que permita a passagem de carrinho de mão e fardos. O teto dever ser de laje ou vedado com tela para evitar a entrada de roedores por cima.

Grande parte dos proprietários ainda utiliza depósito com sacos de ração empilhados, apesar de não ser a maneira mais eficaz. Os tradicionais sacos de papelão ou plástico são fáceis de serem “furados”, danificados por roedores e ainda vulneráveis à umidade. Quanto mais organizado for o espaço, mais fácil será o trabalho dos tratadores. Um quadro/lousa onde estão escritos os tratos de cada animal, uma grande bancada na extremidade por exemplo oferece uma superfície de trabalho onde podem ser medidas as rações, misturados os grãos e colocar recipientes. Containers plásticos com tampa e rodinhas são excelentes para acondicionamento das diferentes rações.

Lembre-se, roedores e pragas gostam de lugares em que a comida é fácil, podem se esconder e reproduzir. Mantenha sempre seu local limpo, livre de grãos “derramados” no piso.

Depósito de ração com containers com tampa e rodinhas

Eliminar de forma eficaz a presença de roedores e outras pragas nesse tipo de ambiente não é tarefa fácil. Mas é possível manter essas pragas bem longe do seu depósito de ração. Para isso procure sempre a ajuda de uma empresa especializada.

Lembre-se, na hora da limpeza e correta manutenção é importante escolher os produtos de qualidade. Não é interessante apostar em itens mais baratos, pois geralmente eles não obtêm os resultados de maior potencial que se espera.

O que apresentamos aqui é um “checklist” rápido para aqueles que já têm ou querem investir num haras ou centro hípico. O detalhamento desses itens e muito mais deve ser sempre orientado por pessoal técnico da área.

Não se esqueça: a gestão de um haras depende da organição do negócio em todos os seus aspectos! Boa sorte, muito sucesso!

Leia também: