CAMPO -  A importância dos trabalhadores rurais brasileiros

Água de reuso - reciclagem da água
A gestão inteligente do esgoto – com produções de água de reuso, fertilizante agrícola e biogás – assume papel relevante à saúde humana, à natureza e à economia produtiva
 
Visando minimizar os desperdícios e aproveitar ao máximo os recursos em uso, o Instituto de Zootecnia (IZ/APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tem desenvolvido pesquisas para o reuso da água do sistema de criação de suínos.
 
Os resultados apresentaram diminuição do desperdício de nutrientes da ração, redução da ingestão de água pelos animais e recuperação da água pelo tratamento dos efluentes da suinocultura.
Pelas projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil deverá atingir 260 milhões de habitantes em 2050 e isso poderá gerar disputas por melhores solos, alimentos, condições climáticas, insumos agropecuários e, principalmente, água potável.
 
Sabe-se que, no mundo, 80% das águas residuais são devolvidas ao meio ambiente sem tratamento adequado e 36% da população mundial vive em regiões com escassez de recursos hídricos. A demanda por água no Brasil é crescente, com aumento estimado de aproximadamente 80% do total retirado nas últimas duas décadas. A previsão é de que ocorra um aumento de 24% na demanda até 2030.

Assim, é imprescindível que os sistemas de produção agropecuários revejam, de imediato, seus manejos tecnológicos nos diferentes sistemas de produção animal relacionados à gestão do uso da água e dos resíduos produzidos.
Há uma tendência irreversível para que se revejam os conceitos e concepções do sistema de produção de suínos, com racionalização da água de reuso, energia comburente (biogás) e biofertilizante para tornar o passivo ambiental em ativo financeiro.

Consumo de água x produção de carne suína

Para este estudo, foram adotados os cálculos da média global de consumo de água para a produção da carne suína da Water Footprint Network (WFN), a qual destaca que, do total do volume utilizado para produzir uma tonelada de carne suína, são necessários cerca de cinco mil litros provenientes da precipitação (para produção dos alimentos que compõem a ração); 480 litros são dos corpos hídricos; e para tratar os efluentes são gastos o volume de 600 litros de água.

Para a produção nacional de suínos, em 2019 foram produzidas 260,9 milhões de tonelada de ração para suínos. O Brasil neste período foi o terceiro maior produtor mundial de rações, sendo que as rações para suínos representaram 25% do total de ração produzida. Em 2019, segundo informações da Pesquisa Global de Rações 2020, tanto no mundo quanto no Brasil, o segundo maior volume de ração produzida foi a de suínos.

De acordo com os resultados de pesquisa do Programa “Suíno Pata Verde” em função somente do número de cabeças abatidas em 2019, no Brasil, houve a excreção de 375 mil toneladas de proteína bruta e no Estado de São Paulo aproximadamente 22 mil toneladas de proteína bruta, sendo que do montante ingerido, o desperdício de alimentos para um suíno, dos 63 aos 147 dias de idade, gira em torno de 11,30 kg de farelo de soja e 38,54 kg de milho, valores estimados com base no teor de proteína bruta excretado.
Considerando o número de cabeças abatidas no Brasil e no estado de São Paulo em 2019, a ineficiência alimentar acarretou perdas de mais de 1,8 milhão de toneladas de milho e mais de 500 mil toneladas de farelo de soja no Brasil e, somente em São Paulo foram aproximadamente 104 mil toneladas de milho e 31 mil toneladas de farelo de soja.
 
Para produzir uma tonelada de soja (grão) e uma tonelada de milho (grão), segundo a Water Footprint Network (WFN), é necessário (pela média de produção anual mundial) o consumo de 2.201 metros cúbicos de água por tonelada de soja e 1.222 metros cúbicos por tonelada de milho.
 
Aliado a isto está a relação de água pelo consumo de ração pelos suínos, que na fase de crescimento e terminação é de três litros de água ingerida para cada quilograma de ração por animal. Pelo número de animais abatidos, em 2019, a ingestão de água no Brasil foi de mais de 25,7 bilhões de metros cúbicos e no Estado de São Paulo de 1,5 bilhão de metros cúbicos.
 
Utilizando os dados de abate de suínos do Brasil e do estado de São Paulo, do ano de 2019, do IBGE, aliadas a uma estimativa de melhoria da eficiência alimentar dos suínos em 15%, dos 63 aos 144 dias de idade, a redução do desperdício será de 270 milhões de toneladas de milho e 79 mil toneladas de farelo de soja.
No Brasil, seguindo informações da WFN (pegada hídrica), para redução anual do uso da água em relação a produção de soja, esses valores equivaleriam a mais de 570 milhões de metros cúbicos de água para a produção de cerca de 112 mil toneladas de soja grão. Já para o estado de São Paulo a redução anual do desperdício corresponderia a 88,5 mil toneladas de milho e 42 mil toneladas de soja (grão) ou 36 mil toneladas de farelo de soja o que equivaleria na redução de 33 milhões de metros cúbicos de água para a sua produção.

Com a melhoria da eficiência alimentar, numa granja em que se vende mil animais terminados, segundo Simone, o ganho “seria equivalente a 149 animais de retorno – menor custo de produção e aumento na margem de lucro”.
 
Há grande impacto gerado na recuperação de águas com os tratamentos de efluentes quando se considera o número de matrizes alojadas e suínos abatidos. Segundo o IBGE de 2020, com base em 2018 e o número de cabeças abatidas em 2019, foram abatidos aproximadamente 2,7 milhões no estado de São Paulo e mais de 46 milhões, no Brasil.

Considerando a fase crescimento e terminação e o aumento da eficiência alimentar, aliada a recuperação de água, Simone disse que seria permitida a economia de 1,4 milhões de metros cúbicos de água no estado de São Paulo. “Além disso, geraria coprodutos, com alto potencial de comercialização, como os biofertilizantes que são resultantes desse sistema de tratamento de efluentes.”
 
Com a utilização dos dados já obtidos com o Sistema Flotub JLtec-IZ, considerando os dados do IBGE e a WFN, a produção de água de reuso, no Brasil corresponde a 19,7 milhões de metros cúbicos e no estado de São Paulo em torno de 1,150 milhão de metros cúbicos, pois foram abatidos mais de 46 milhões de cabeças e utilizados 28 milhões de litros de água.
 

Leia também:
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *